Para quem pensava que este era um problema exclusivo dos teenagers, uma espécie de ritual de passagem, descobrir uma ou mais borbulhas na idade adulta parece desapropriado. Mas é algo cada vez mais comum, como têm vindo a alertar vários especialistas. “A acne consiste na inflamação dos folículos pilosos e das glândulas sebáceas da pele. Tem ciclos, dependendo da parte hormonal, sendo ainda geneticamente determinada”, indica o dermatologista Orlando Martins.

Tende a aparecer na puberdade, fase de maior agitação hormonal, e dado o papel importante das hormonas, as disfunções, como ovários poliquísticos, devem ser analisadas. “Mexer e espremer as borbulhas ou pontos negros e usar cosméticos inadequados pode piorar a acne. Há também factores ambientais e climáticos, trabalhar em local com ar condicionado desidrata a pele, que não deixa de ser oleosa, apenas produz mais óleo, piorando a acne”, refere.

“A acne evoluiu nos últimos anos”, afirma Orlando Martins. Quando começou a exercer dermatologia, era frequente ver “raparigas e rapazes com acne aos 13 ou 14 anos”. “Agora deparo-me com mulheres na faixa dos 30 anos com acne grave, que provoca dor e cicatriz”, afirmou à revista Saber Viver. Além do ritmo de vida atual ser mais agitado, “também há um fator hormonal relevante, a toma da pílula contracetiva cada vez mais cedo”, diz.

Nas últimas décadas, com a mudança de mentalidades, a prática generalizou-se. “As mulheres começam a tomar cedo e sem fazer o descanso recomendado”, critica. “Aos 30 anos, deixam a pílula e a acne chega em força”, realça o dermatologista. “Depois dos 20, o tratamento tem mesmo de ser agressivo, senão o problema vai manter-se até à menopausa, convivendo rugas com acne”, aconselha ainda o especialista.

Dieta ilibada

A alteração dos hábitos alimentares é, segundo alguns profissionais, outra das causas. “Não há comprovação científica de que algum alimento provoque acne”, garante, no entanto, o dermatologista. Apesar de tudo seguir uma dieta equilibrada é um dos princípios fundamentais para uma pele saudável. Como aconselha o médico, se desconfia que algum alimento lhe provoca reacções adversas é melhor evitá-lo.

Os suspeitos do costume são o chocolate, as azeitonas, os amendoins ou as nozes. Já os fatores emocionais e o stresse são “importantíssimos”, como frisa Orlando Martins. “Quando há libertação de adrenalina e de outras hormonas, a acne piora”, assegura. Entre os fatores externos encontram-se ainda “os cosméticos e a exposição solar, não só porque o protetor solar é oleoso”, sublinha.

“Mas porque há um espessamento da camada superior da pele, que faz com que os folículos sofram inflamação”, justifica o dermatologista. “Alguns fármacos, como a cortisona, também podem desencadear acne temporária”, alerta ainda o médico, que aconselha o acompanhamento especializado. Quando a acne começa a incomodar deve consultar um dermatologista, que avaliará o tipo de acne e que definirá o tratamento necessário.

 

O que deve fazer para erradicar a acne

Nos casos ligeiros, a limpeza da pele com produtos suaves e a aplicação de uma pomada anti-acne podem ser suficientes, mas situações mais graves podem exigir a conjugação de limpeza e medicamentos. Depois da consulta, determinando-se a necessidade de tratamento com isotretinoína, para a acne mais grave, há uma fase de tentativa de cura. Aí, é obrigatório o controlo efectivo do ciclo menstrual com anticoncepcionais.

“Os medicamentos são muito agressivos e podem provocar malformações no feto em caso de gravidez”, adverte o especialista. Depois há a fase de reabilitação, em que podem ser feitas abrasões ou peelings. A limpeza e hidratação da pele acneica é fundamental na rotina de cuidados diários. Use produtos específicos para pele oleosa, cosméticos, hidratantes e protetores solares com a designação oil free, à base de água ou não-comedogénicos.

Pode também aplicar máscaras periodicamente. Na maquilhagem, prefira a base em pó, porque é menos irritante para a pele. E não se esqueça de limpar bem o rosto antes de dormir, de deitar fora as embalagens abertas há mais de um ano e de lavar os pincéis e aplicadores de produtos de beleza regularmente. As limpezas na esteticista são uma boa aposta, “mas têm de ser muito bem feitas para não deixar cicatrizes”, sublinha.