A esfoliação, como é óbvio, não pode ser feita diariamente e por isso, há que ter cuidados quando esta se faz para que não agrida a sua pele nem a prejudique.

Remover as células mortas, ativar a circulação, desobstruir os poros, deixar a pele limpa e promover o aspeto e a textura do rosto são alguns dos benefícios da esfoliação.

Contudo, é preciso ter cuidado para não agredir a sua pele e levar a alguns dissabores como vermelhidão, acne e até borbulhas.

Assim sendo e sem descurar o aconselhamento com um especialista, fique a saber mais acerca desta rotina no seu tipo de pele.
Pele seca

A pele quando é mais ressequida pode impedir que o hidratante penetre na pele, bem como o óleo ficar à superfície, causando pequenas inflamações. O ideal é que opte por esfoliantes menos agressivos e que possuam vitamina B5.
Pele oleosa

Esfoliantes ativados com atrito (pequenos grãos) não são aconselháveis, já que podem dar origem a acne. A melhor aposta é usar os esfoliantes químicos (cremes compostos principalmente de ácidos) e lavar a cara com produtos que contenham ácido glicólico ou salicílico. Estes ajudam a remover a sujidade e penetram melhor na pele.

Pele sensível

A melhor escolha são esfoliantes à base de enzimas de frutas ou plantas, uma vez que são mais suaves. E não se preocupe porque ajudam a purificar de igual forma.
Pele mista

Este tipo de pele carateriza-se pela zona T oleosa (testa, nariz e queixo) e pelas bochechas secas portanto, há que adequar o tipo de esfoliação. Assim sendo, adicione um pouco de água a bicarbonato de sódio para um atrito mais forte na zona T e para as bochechas basta suavizar a mistura com um pouco mais de água.
Região dos olhos

Há esfoliantes à base de retinol e que são específicos para esta região que é tão sensível e delicada. Tenha sempre em atenção os rótulos e certifique-se que o produto é, efetivamente, seguro para a zona em questão.