Com a chegada da primavera e do verão muito se fala a propósito da desintoxicação dos excessos à mesa. Há soluções para todos os gostos, dos detox de líquidos frios, aos detox demasiado restritivos, que podem apresentar maus resultados.

Acredito num processo de detox natural e estruturado. Podemos empreender um processo de desintoxicação recorrendo a comida real, sem provocar um choque brutal ao nosso corpo e à nossa atividade mental.

O nosso corpo está preparado para desintoxicar naturalmente, mas se lhe dermos as condições perfeitas, o processo pode ser muito simples e rápido. Devemos, no entanto, ter em atenção o tipo de detox que escolhemos realizar. Por exemplo, se nos limitarmos a ingerir líquidos frios, nestes dias, o frio que sentimos será potenciado – deixando-nos muito desconfortáveis. Se entrarmos em privação total, o nosso humor, qualidade de sono, desempenho físico e mental serão hipotecados.

Desta forma, à pergunta detox? A resposta é sim, mas com consciência. Para o efeito, descubra cinco dicas perfeitas para colocar em prática:

1. Coma de forma simples, sem aditivos ou métodos culinários muito elaborados e condimentados. Cozinhe com alimentos reais e naturais, de fácil digestão. Coma apenas quando tem fome.

2. Estimule o correto funcionamento dos órgãos excretores e que ajudam a limpar o organismo, designadamente os rins, o fígado e os intestinos.

3. Deixe de parte os alimentos inflamatórios, tais como o açúcar, o álcool, os alimentos processados, o glúten e o café. Isto, a par da redução do consumo de proteína animal.

4. Privilegie o consumo de cereais integrais, leguminosas, legumes e fruta da época. Foque-se nos alimentos que vão tonificar o fígado e os intestinos, como o nabo, a beterraba, os cogumelos shitake, o limão, o miso, os picles, entre outros.

5. Tenha sempre em atenção a sua condição específica de saúde. As exceções e especificidades de cada um são cruciais para que uma desintoxicação tenha bons resultados.

Em paralelo, tenha em consideração que a realização de um processo desintoxicante no inverno é diferente de o fazer no verão, pelas temperaturas e exigências próprias da estação.